Itália quase lá

Reuters
Pazzini marca na estreia: contra a Irlanda, dá para abrir mão da sua boa fase?

Confesso que não consegui assitir à vitória da Itália sobre Montenegro no último sábado. Motivo pelo qual é muito bem vindo qualquer comentário que vocês possam fazer sobre atuações específicas dos jogadores. Uma lesão (não tão grave quanto a do Di Natale) me impediu de ir ao iG hoje, então nem mesmo as notas que a Gazzetta deu aos atletas eu tenho.

Mas tenho, em compensação, a convicção de que a Itália está quase lá, também por causa do empate entre Irlanda e Bulgária no fim de semana. Se derrotar a Irlanda na próxima quarta-feira, em Bari, os italianos já podem comemorar a vaga para defender o título na Copa de 2010. Porque:

1) Como se vê na tabela da chave (o terceiro colocado tem 4 pontos enquanto a Itália tem 13), é a Irlanda (11 pontos) a única adversária dos italianos na briga pelo primeiro lugar.

2) Se vencer em Bari, a Itália abrirá cinco pontos de vantagem sobre os irlandeses, e mesmo que perca o jogo de volta, na Irlanda, manterá dois pontos de margem sobre os rivais.

3) Nessa hipótese, esses dois pontos de diferença os irlandeses precisariam recuperar em três rodadas nas quais a Itália jogará duas vezes em casa (Bulgária e Chipre) e uma fora (Georgia); justamente o contrário da Irlanda, que jogará duas fora (Bulgária e Chipre) e só uma em casa (Montenegro).

Resta agora saber como Marcelo Lippi escalará o time para o jogo desta quarta. Sem Di Natale, certamente, porque o melhor jogador da Udinese (aliás, diminuem as chances da Itália triunfar pelo menos na Uefa…) vai parar por cinco ou seis meses. É possível que Lippi simplesmente escale algum outro atacante atuando mais aberto (Rossi, Pepe…) na vaga de Di Natale.

Mas, depois da estreia com gol de Pazzini (que marcou mesmo sem Cassano ao lado, como observa um irônico leitor), eu não desperdiçaria a chance de “encontrar o novo Luca Toni”. Que, na verdade, se o assunto é seleção, pode vir a ser bem mais que o velho Luca Toni.  Assim, acho, Iaquinta é quem poderia jogar mais aberto, deixando espaço para Pazzini atuar como centroavante – coisa que ele é, de fato, ao contrário de Iaquinta.

Sim sim, eu sei, não vi o jogo contra Montenegro. Mas também sei que, em futebol, não dá para abrir mão de boas fases como a do atacante da Samp. Ou dá?

Anúncios

Sobre Gian Oddi

Jornalista, é hoje comentarista dos canais de televisão ESPN e ESPN Brasil. Trabalhou por sete anos como editor da revista e do site de Placar. Em duas passagens pelo portal iG, onde esteve por mais de cinco anos, foi editor de esportes e editor-executivo de esportes, ciência e tecnologia. Morou por um ano em Roma, produzindo matérias para a Placar e outras publicações da Editora Abril. Do Brasil, foi colaborador do diário espanhol Marca. Editou por seis anos o blog A Bola na Bota, sobre futebol italiano.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Itália quase lá

  1. Desmonton disse:

    Pazzini será o centroavanta da Itália em 2010. Só Toni, se voltar à boa fase, pode superá-lo….

  2. Arruda disse:

    você tem razão, gian. a itália praticamente já estará na copa se vencer amanhã. mas a agente tem que convir que esse grupinho é um dos mais fracos das eliminatórias, né??

  3. Libelula disse:

    aiaiai… tá machucadinho? quer que eu cuide??
    ; )

  4. lucas machdo mendes disse:

    Galvão porque os jogadores da seleção nao cantam o hino nacional??????????
    nao significa nada para eles????????????

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s